• Neverland renasce: Os bastidores da cinebiografia de Michael Jackson

    Neverland renasce: Os bastidores da cinebiografia de Michael Jackson

    As gravações da aguardada cinebiografia de Michael Jackson, no icônico Rancho Neverland, têm sido um mergulho profundo na história e na emoção. O local, que testemunhou 17 anos da vida do Rei do Pop, agora ressurge totalmente restaurado.

    Sob a liderança de Jaafar Jackson, sobrinho de Michael, que interpretará seu tio na cinebiografia, as gravações prometem uma imersão total na vida e na obra do ícone musical. Durante duas semanas intensas, Neverland torna-se o epicentro de uma produção monumental, recriando com precisão os cenários e os momentos que moldaram a trajetória de Jackson.

    A magnitude do projeto se revela na logística impressionante: dois helicópteros e uma frota de quinze caminhões foram mobilizados para transportar o vasto material necessário para as filmagens. Estátuas, objetos e lembranças cuidadosamente preservadas no armazém do Espólio de Jackson emergem para ajudar a contar a história de um dos maiores artistas do século XX.

    Nos bastidores, relatos revelam que crianças foram contratadas para recriar visitas guiadas pelo rancho, algumas delas com deficiências, com o intuito de proporcionar uma representação inclusiva e autêntica. Além disso, animais também farão parte do cenário, contribuindo para a atmosfera genuína do local. Todas as atrações foram meticulosamente reproduzidas, garantindo uma experiência fiel para os espectadores.

    Também está prevista uma sequência de filmagens com Jaafar na “Giving Tree“, uma árvore localizada em frente à casa de Michael onde o ele costumava se refugiar, pensando e compondo suas músicas enquanto ficava no alto dela.

    O artista tributo Rodrigo Teaser  é fotografado em frente à “Giving Tree

    Com a estreia agendada para 18 de abril de 2025, os fãs de Michael Jackson e os entusiastas do cinema aguardam ansiosamente para ver como a equipe por trás deste projeto ambicioso conseguiu capturar a magia e a complexidade de um ícone eterno.

  • Michael Jackson: o defensor dos Artistas Negros na indústria fonográfica

    Michael Jackson: o defensor dos Artistas Negros na indústria fonográfica

    Michael Jackson, um ícone da música, possuía uma visão clara sobre a indústria fonográfica e suas armadilhas, especialmente para artistas negros. Em  recente entrevista à People Magazine,  integrantes do grupo R&B Boyz II Men revelaram que o Rei do Pop alertou sobre os perigos de ser manipulado e explorado pela indústria.

    A conversa com Jackson ocorreu após o grupo cantar os vocais de apoio na música “HIStory“, que aparece no álbum HIStory: Past, Present and Future, Book I. Sentados em uma sala nos bastidores, Jackson e os Boyz — na época formados por Wanya Morris, Nathan Morris, Shawn Stockman e Michael McCary“literalmente conversaram por horas”, lembrou Wanya.

    “Depois de fazermos nossa parte, fomos para essa sala dos fundos onde Mike estava preparado e ele tinha um quadro — como um quadro visual”, recordou ocantor dos Boyz II Men. “Ele disse: ‘Escutem, essa indústria é louca e eles vão te usar. Vão te fazer correr de um lado para o outro, sem você entender o que está acontecendo até que mais tarde possa olhar para trás e ver os benefícios dos frutos do seu trabalho. E é aí que você vai perceber que fez a coisa certa. Mas a única maneira de fazer isso é saber o seu valor e nunca aceitar menos do que você sente que vale.’ E foi isso.”

    A luta pela comunidade

    Além de suas palavras, Michael Jackson demonstrou seu compromisso com a comunidade musical negra por meio de suas ações. Um exemplo marcante foi sua reação ao descobrir que a compra dos direitos de publicação dos Beatles implicava a posse das obras de Little Richard. Diante dessa injustiça, Jackson agiu prontamente, devolvendo os direitos a Little Richard como um gesto de respeito e reconhecimento pelo talento e pela contribuição do artista, que havia sido desvalorizado pela indústria ao longo dos anos.

    Essas ações não apenas revelam a compreensão de Jackson sobre as injustiças enfrentadas pelos músicos negros, mas também sua determinação em corrigir essas injustiças sempre que possível. Seu legado não se limita apenas à música, mas também à sua luta contínua por justiça e igualdade na indústria musical.

  • A Indústria da Difamação: Revelações sobre a Agenda Anti-Michael Jackson

    A Indústria da Difamação: Revelações sobre a Agenda Anti-Michael Jackson

    Um vídeo arquivado há muito tempo foi ressuscitado pelos dedicados fãs de Michael Jackson, revelando uma trama sombria que visava destruir a reputação do ícone da música pop. Antes mesmo de qualquer veredicto judicial, a mídia lucrava milhões promovendo especulações sobre a possível condenação.

    Nas imagens, o jornalista norte-americano da CNN, Art Harris, é flagrado diante dos portões do rancho de Neverland, cumprindo uma agenda premeditada. Surpreendentemente, mesmo sem um veredicto do tribunal, Harris já estava filmando para elaborar sua matéria sobre a suposta “condenação” de Michael Jackson, horas antes do anúncio oficial.

    Art Harris não apenas buscava lucrar com o caso MJ antes do veredicto, mas também tentava capitalizar de diversas formas após a absolvição. Entretanto, ele dependia desesperadamente de uma condenação para que qualquer conteúdo fosse relevante.

    A exoneração de Michael Jackson não apenas frustrou as expectativas da mídia, mas também desmantelou um ecossistema bilionário construído em torno da difamação do artista. O advogado de Jackson, Tom Mesereau, afirmou que a absolvição do Rei do Pop representou um golpe fatal para uma indústria midiática que esperava lucrar bilhões com uma condenação.

    Em 2019 a mesma estratégia foi empregada quando ”novas acusações” surgiram contra Jackson. Figuras  como David Geffen, Oprah Winfrey, Harvey Weinstein, Dan Reed e muitos outros financiadores lucraram ao ressuscitar mentiras sobre Michael Jackson, enquanto encobriam os verdadeiros pedófilos de Hollywood.

    Apesar dos esforços para difamar seu legado, a verdade prevaleceu sobre as mentiras, demonstrando a resistência do legado do Rei do Pop contra as maquinações da mídia sensacionalista e da indústria da difamação.

  • Do sucesso a controvérsias, cinebiografia sobre Michael Jackson não irá esconder nada do público

    Do sucesso a controvérsias, cinebiografia sobre Michael Jackson não irá esconder nada do público

    Um turbilhão de expectativa cerca o lançamento de “Michael“, o aguardado filme biográfico que promete desvendar os segredos mais sombrios por trás do brilho de uma das maiores estrelas da música pop. Com sua data de estreia marcada para 18 de abril de 2025, o longa-metragem irá abordar sem medo as polêmicas que acompanharam a vida de Michael Jackson.

    Desde o seu anúncio, a cinebiografia tem sido objeto de intensa especulação e expectativa. A promessa de uma narrativa franca, que aborda as controvérsias que moldaram a trajetória do Rei do Pop, tem despertado tanto o interesse quanto a apreensão do público.

    As acusações de pedofilia, os relatos de abuso de medicamentos e as cirurgias plásticas que permearam a vida de Michael Jackson serão expostos de forma abrangente. Além disso, a atuação da mídia diante dos eventos envolvendo o ícone da música pop será minuciosamente examinada. O filme tem como objetivo esclarecer o tratamento midiático direcionado a Jackson, proporcionando uma análise detalhada e imparcial dos fatos.

    Dirigido pelo renomado Antoine Fuqua e com roteiro assinado por John Logan, “Michael”, está pronto para se destacar entre as demais biografias ao prometer uma exploração incansável da verdade. Com Jaafar Jackson, reconhecido por seu talento, no papel principal, o público deve se preparar para serem levados a terrenos desconhecidos.

    “Michael” está destinado a ser mais do que uma mera celebração: será uma exploração corajosa, sem máscaras, da vida e legado de Michael Jackson.

  • Revelações do produtor de ”Michael”: Os segredos por trás da cinebiografia de Michael Jackson

    Revelações do produtor de ”Michael”: Os segredos por trás da cinebiografia de Michael Jackson

    A cinebiografia de Michael Jackson está destinada a deixar sua marca na história do cinema, com Antoine Fuqua (diretor de “Dia de Treinamento“) encarregado da direção do projeto, e com a produção da Lionsgate e de Graham King (responsável por “Bohemian Rhapsody“).

    Intitulado “Michael“, Graham King compartilhou recentemente insights sobre o projeto durante a apresentação da Lionsgate na CinemaCon 2024. Ele revelou que sua preparação para o filme durou sete anos, envolvendo entrevistas com centenas de pessoas e uma consideração cuidadosa sobre como condensar a vida complexa e o legado de Jackson. King destacou o desafio de encontrar o ator adequado para interpretar uma figura tão icônica quanto Michael Jackson, expressando sua determinação em oferecer ao público uma experiência emocionante e inédita.

    King ressaltou que “Michael” não se limitará a ser apenas mais uma cinebiografia comum. Ele assegurou que o filme proporcionará uma experiência cinematográfica extraordinária, repleta de momentos de drama, mistério e uma intensa montanha-russa de emoções.

    O produtor ofereceu um vislumbre intrigante do que está por vir com “Michael”, prometendo um retrato genuíno e profundamente impactante de uma das figuras mais influentes e fascinantes da história da música pop.

    A cinebiografia do Rei do Pop fará sua estreia tão aguardada no dia 18 de abril de 2025.

  • ”Michael”: Cinebiografia de Michael Jackson estreia em Abril de 2025 e promete emocionar

    ”Michael”: Cinebiografia de Michael Jackson estreia em Abril de 2025 e promete emocionar

    Com um investimento milionário e um elenco de estrelas, o filme promete ser um retrato épico e honesto da vida do ícone musical

    Nos corredores de Hollywood, um burburinho crescente prenuncia a chegada de um evento cinematográfico que promete eletrizar plateias ao redor do mundo. Marcado para estrear nos cinemas em 18 de abril de 2025, a tão aguardada cinebiografia do Rei do Pop, Michael Jackson, está prestes a fazer história. Com um orçamento colossal estimado em US$ 155 milhões, o filme não poupa esforços para oferecer uma experiência de cinema inesquecível.

    À frente desse épico cinematográfico está o renomado cineasta americano Antoine Fuqua, cujo currículo repleto de sucessos inclui filmes aclamados como “Dia de Treinamento” e a trilogia “O Protetor“. Fuqua, conhecido por sua habilidade em capturar a essência de personagens complexos, assume a difícil tarefa de retratar a vida e o legado de Michael Jackson de maneira autêntica e comovente.

    No centro dessa narrativa está Jaafar Jackson, sobrinho de Michael, que assume o desafio de interpretar seu icônico tio. Ao seu lado, um elenco estelar se reúne para dar vida aos membros da família Jackson e às figuras-chave na jornada do Rei do Pop. Com nomes como Miles Teller, Colman Domingo e Nia Long, a produção promete uma performance memorável de cada personagem, capturando a essência de suas personalidades e relacionamentos.

    Michael” não só promete ser uma imersão profunda na vida do artista, mas também uma celebração de seu legado musical incomparável. Com mais de 30 de suas músicas gravadas, a trilha sonora do filme proporcionará uma experiência auditiva verdadeiramente envolvente, capturando a essência de sua genialidade musical. Desde os hits explosivos como “Thriller” e “Billie Jean” até as baladas comoventes como “Man in the Mirror“, cada canção servirá como uma trilha sonora emocionante para os momentos cruciais da jornada de Jackson.

    Prometendo uma imersão sem precedentes na vida do artista, a cinebiografia de Michael Jackson se propõe a explorar cada faceta de sua jornada, desde os momentos de triunfo até os desafios mais íntimos. De suas performances memoráveis à batalha contra seus próprios demônios, o filme promete desvendar um retrato complexo e cativante de um dos maiores ícones da música pop.

    Michael chega aos cinemas em 18 de abril de 2025.

  • Michael Jackson: O legado musical que supera as falsas acusações

    Michael Jackson: O legado musical que supera as falsas acusações

    É inegável que a música de Michael Jackson transcende os limites do tempo e do espaço, imortalizando-se como parte indiscutível da história cultural. Seu legado não se limita apenas à indústria musical, mas ecoa nos corações e mentes de milhões em todo o mundo. Jackson não apenas criou canções lendárias, ele moldou uma era e transcendeu fronteiras.

    No entanto, o brilho de sua contribuição foi obscurecido por acusações infundadas e uma tentativa mesquinha de extorsão. Acusadores que se juntaram na tentativa de manchar seu nome foram expostos não como defensores da verdade, mas como meros oportunistas, buscando ganho financeiro à custa da reputação de um ícone.

    Essa tentativa maliciosa de extorsão não apenas falhou, mas expôs a verdadeira natureza dos envolvidos. Não há evidências, apenas mentiras descaradas, despidas de qualquer substância.

    O caráter inquestionável e a integridade de Michael Jackson permanecem intactos, resistindo ao teste do tempo e à calúnia.

    As manchetes sensacionalistas sobre Jackson já não têm o mesmo impacto de antes, à medida que o público se torna mais diligente na verificação de informações antes de formar opiniões. Com o acesso instantâneo à informação e a conscientização sobre a importância da investigação aprofundada, as narrativas superficiais estão perdendo terreno.

    Os recordes impressionantes de streaming do Rei do Pop, com 682 milhões de streams no Spotify apenas no primeiro trimestre, e 1,5 bilhão de visualizações de “Billie Jean” no YouTube, destacam a duradoura influência e popularidade do legado do Rei do Pop.

    A memória de Jackson merece ser honrada não apenas pelos fãs atuais, mas também por aqueles que ainda estão por vir, como um testemunho de que a verdade sempre prevalece sobre a desinformação, e a grandeza transcende os rumores.

  • Por que defendemos Michael Jackson?

    Por que defendemos Michael Jackson?

    Uma reflexão sobre a máquina de sensacionalismo e mentiras que envolveu o Rei do Pop

    A defesa de Michael Jackson é mais do que idolatria; é um protesto contra um sistema injusto. A mídia sabe a verdade, mas prefere alimentar-nos com sensacionalismo e mentiras.

    Um documentário confirmou o que já se suspeitava: as acusações contra Jackson eram falsas, uma tentativa descarada de extorsão. No entanto, a mídia continuou sua campanha difamatória, ignorando até mesmo a condição de vitiligo do artista.

    Isso tudo revela o lado mais sombrio da indústria midiática, obcecada pelo lucro acima de tudo. Enquanto isso, nós, o público, continuamos a ser vítimas dessa máquina de manipulação e mentiras. Michael Jackson, um homem sensível e humano, tornou-se mais uma vítima desse sistema impiedoso, quebrando seu espírito e minando sua dignidade. Essa situação é um sintoma de um sistema corrupto que precisa urgentemente de reforma.

    Precisamos lutar por uma mídia mais ética, que valorize a verdade e respeite a humanidade. É uma pena que essa mudança não tenha chegado a tempo de salvar Michael Jackson das garras da injustiça e da crueldade humana…

  • Chilli Beans celebra legado de Michael Jackson em novo lançamento

    Chilli Beans celebra legado de Michael Jackson em novo lançamento

    A renomada marca de óculos de sol e acessórios de moda, Chilli Beans, revelou em um evento privado a sua mais recente coleção inspirada em ícones da música. Sob os holofotes, o artista-tributo Rodrigo Teaser acompanhou o anúncio da coleção “Michael Jackson“.

    Desde sua fundação, a Chilli Beans tem se destacado pela personalização e colaborações com grandes nomes da cultura pop, como Rita Lee, Anitta e Alok. Recentemente, a marca lançou uma coleção em homenagem a Bob Marley, antecipando o lançamento do filme “Bob Marley: One Love“, dirigido por Reinaldo Marcus Green.

    O empresário Caito Maia, fundador da Chilli Beans, adiantou em entrevistas no início do ano que novidades estavam por vir além da coleção de Bob Marley. Entre os destaques, ele mencionou a série “Chilli Hits“, que abrange uma ampla gama de temas, desde músicos como Léo Santana e Luiza Sonza até franquias cult como Senhor dos Anéis e Star Wars.

    O anúncio da coleção “Michael Jackson” ocorreu durante o Cruzeiro Chilli Mob Cruise; a empresa nos estágios finais de preparação para o aguardado lançamento de sua nova coleção e os fãs podem esperar uma colaboração única que captura a essência e o legado do icônico Rei do Pop.

  • Discussão: Antes do lançamento da cinebiografia de Michael Jackson, Espólio é obrigado a remasterizar todos os videos clipes do Rei do Pop

    Discussão: Antes do lançamento da cinebiografia de Michael Jackson, Espólio é obrigado a remasterizar todos os videos clipes do Rei do Pop
    Com a cinebiografia de Michael Jackson chegando em abril de 2025, é hora de aproveitar ao máximo o legado deste ícone da música. No entanto, se o Espólio ainda não está remasterizando seus curtas-metragens para serem lançados antes do filme, estão perdendo uma oportunidade única de cativar o público. Imagine o impacto de sair do cinema imerso na história do Rei do Pop e imediatamente poder mergulhar em seu catálogo de performances inesquecíveis. Mas se só encontrarmos vídeos de qualidade duvidosa, será uma oportunidade desperdiçada. É crucial que o Espólio assegure que suas melhores performances, como “Billie Jean” no Motown 25, estejam disponíveis em alta qualidade em seus canais oficiais desde o primeiro dia. Este é um momento de renascimento para Michael, e sincronizar a divulgação de suas performances mais marcantes com o lançamento do filme é essencial para maximizar seu impacto. Imagine a emoção de reviver a magia da Motown 25 logo após assistir à cinebiografia nos cinemas? A disponibilização de uma versão de alta qualidade da performance real de Michael na Motown 25 no YouTube assim que o filme estrear seria uma jogada brilhante. As pessoas sairiam do cinema ansiosas para reviver esses momentos memoráveis, assim como toda a sua videografia e shows HIStóricos. O Espólio de Michael Jackson afirma ser o melhor, mas suas ações nos lançamentos de vídeos e álbuns do Rei do Pop dizem o contrário. Agora, só podemos depender da gravadora Sony, que adquiriu metade do catálogo de Jackson. Como fãs, resta-nos manter viva a esperança e aproveitar esta oportunidade para celebrar genuinamente o legado de Michael Jackson…